Meu primeiro imóvel: 6 dicas para comprar sua casa própria com tranquilidade e segurança

Meu primeiro imóvel: 6 dicas para comprar sua casa própria com tranquilidade e segurança

Vai comprar o seu primeiro imóvel e deseja que o processo ocorra da melhor forma? Neste conteúdo, reunimos as melhores dicas para você fazer uma aquisição consciente e segura. Veja!

 

Comprar o primeiro imóvel não é uma tarefa fácil e muitas dúvidas surgem durante esse processo. Basta considerar as suas necessidades e possibilidades para tomar a melhor decisão. Afinal, a aquisição de uma casa ou apartamento é uma grande conquista.

Antes de fechar negócio, é preciso tomar alguns cuidados para definir uma estratégia de longo prazo, de modo a evitar surpresas desagradáveis e arrependimentos. Para isso, é necessário estar consciente das suas demandas, para equilibrar as expectativas com o seu orçamento familiar. Isso vai exigir muita pesquisa de mercado e planejamento.

Pensando nisso, selecionamos 6 dicas que ajudarão você a se organizar para a compra do seu primeiro imóvel. Confira!

 

1. Monte um bom plano financeiro

O primeiro passo é criar um bom planejamento financeiro. Com uma boa dose de disciplina e propósito, é possível juntar uma quantia considerável para adquirir a casa própria. Comece separando uma parte do salário que cair na sua conta. A princípio, pode ser 10% dos ganhos e aumentar esse limite conforme as suas possibilidades. Se a conta não fecha, separe os gastos supérfluos dos essenciais e corte (ou reduza) aquilo que não afetará as suas economias.

Além disso, é importante eliminar dívidas quanto antes, pois resultam em juros altos e podem virar uma bola de neve. Por fim, não deixe as suas economias paradas na poupança ou na conta corrente convencional. Hoje, existem alternativas seguras que rendem de acordo com as flutuações do mercado.

Uma sugestão é fazer aplicações financeiras (pré-fixada, pós-fixada, programada ou IPCA+) ou investir em cotas de capital, que são em longo prazo. Esses produtos financeiros são oferecidos na nossa cooperativa de crédito, a Viacredi.

 

2. Escolha a localização ideal

Está com as contas controladas e tem um plano financeiro adequado? Então, é chegado o momento de pesquisar a localização do seu primeiro imóvel. Esse passo é essencial para o seu projeto, tanto para quem vai morar sozinho quanto para quem tem família.

A recomendação é não se guiar somente pela identificação com o bairro em questão. Elabore uma lista para ver se o local oferece uma estrutura que corresponde à sua rotina de vida. Considere os seguintes pontos:

  • distância e tempo de deslocamento da casa até o seu trabalho ou a escola das crianças;
  • proximidade de estações de ônibus ou metrô — caso queira uma propriedade no perímetro urbano;
  • tipos de comércios próximos, como mercados, farmácias, armazéns, padarias etc;
  • segurança das vias de acesso ao bairro;
  • tráfego da região.

Além disso, visitas em diferentes horários podem ajudar, pois você contempla a dinâmica do local, o quão seguro ele é e ainda observa o trânsito. Também, é válido conversar com moradores da região para coletar informações sobre o cotidiano.

 

3. Defina o perfil de imóvel ideal

As opções do mercado imobiliário são diversas e você precisa estar consciente sobre o tipo de imóvel ideal para as suas necessidades. Se você não tem pressa, uma casa na planta garante um acabamento novo em folha e beneficia o seu orçamento, pois estica o tempo para juntar as economias. Já um imóvel usado pode garantir uma aquisição mais rápida, dependendo das suas condições e necessidades como comprador.

Independentemente disso, toda a estrutura da moradia deve ser avaliada, como o número de quartos, a garagem (quantidade de vagas), área de lazer, quintal etc. Esses fatores ajudam a definir o que é viável para você e sua família. Analise o que vocês adorariam ter (piscina, por exemplo), mas podem abrir mão; e o que a casa não pode ter de forma alguma.

 

4. Considere a documentação do imóvel

Antes de fechar negócio, pesquise se o imóvel está dentro da lei. Para isso, consulte um advogado ou uma imobiliária, de modo a levantar o histórico da propriedade. É um serviço que demanda um investimento significativo, mas é necessário fazê-lo para evitar problemas futuros.

Confira os documentos que devem ser checados no caso de adquirir um imóvel usado:

  • cópia atualizada da matrícula: ela apresenta o dossiê da casa. Sua solicitação é feita no Cartório de Registro de Imóvel da região, basta informar o endereço e o número de matrícula, fornecidos pelo próprio vendedor;
  • certidões: é preciso consultar algumas documentações, como Certidão Cível, Certidão de Distribuição Cível, Certidão Negativa de Débitos Federais de Pessoa Física, Certidão Negativa de Débitos na Junta Comercial, Certidão de Nascimento e Certidão Negativa de Débitos Trabalhistas;
  • IPTU e condomínio: para saber se o IPTU está em dia, solicite ao vendedor e/ou proprietário o número do contribuinte. Depois, entre em contato com a prefeitura municipal.

Se tudo estiver de acordo com a lei e você decidir fechar negócio, observe as cláusulas do contrato de compra. Leia tudo com atenção, tire dúvidas e peça alguns dias para conferir todos os detalhes. Uma sugestão é consultar um profissional de confiança para esclarecer tudo.

 

5. Considere atentamente os gastos extras

É importante não esquecer que, assim que morar no imóvel, impostos e despesas surgirão, afetando o seu orçamento. Existe o Imposto de Transmissão de Bens Imóveis (ITBI) que deve pago, para que a casa seja transferida para você. Também, vale citar o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), que não é barato em bairros nobres, especialmente em grandes cidades. Além disso, existem contas de luz, água, gás, Internet, taxas de condomínio etc.

 

6. Avalie todas as formas de pagamento disponíveis

Felizmente, há diversas formas de pagamento para adquirir o seu primeiro imóvel. Conheça as principais.

FGTS para comprar a casa própria

O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) corresponde aos depósitos mensais feitos pelos seus empregadores, durante os anos de trabalho nas empresas. A lei permite que ele pode ser sacado em situações específicas e uma delas é para a aquisição de imóvel próprio.

Financiamentos

É a alternativa mais popular do mercado. É concedido quando uma instituição financeira disponibiliza crédito para a compra da casa própria. Cada estabelecimento tem seus critérios, prazos e juros. Após escolher a agência para fazer o financiamento, ela faz a aquisição do imóvel e você terá de pagar a quantia gasta de forma parcelada e com taxas, respeitando o prazo definido por ambas as partes em contrato.

Consórcio de imóveis

O consórcio imobiliário é recomendado para quem não tem pressa em comprar uma casa e quer poupar dinheiro mensalmente. Corresponde a um grupo de pessoas que têm esse mesmo objetivo, a fim de conquistá-lo em conjunto. Todos arrecadam uma parcela do dinheiro total do imóvel definida no fechamento do contrato. Assim, todo mês um membro consorciado é contemplado com uma carta de crédito para adquirir o imóvel desejado.

Após conferir este conteúdo, você pode se perguntar: “esse é o melhor momento para comprar o meu primeiro imóvel?”. A resposta é sim! A recomendação é se planejar para não deixar nenhum detalhe para trás. Dessa forma, você tem a certeza de que fará uma aquisição consciente e sem dores de cabeça.


Publicado em: 19/01/2022 08:00:00
Facebook Twitter Google Plus LinkedIn Whatsapp
Montreal Contabilidade

Abra sua empresa

Conte com a Montreal para agregar valor ao seu negócio. Converse com a gente!