Open Bank e outras inovações

Open Bank e outras inovações

O processo de disrupção do sistema bancário brasileiro, com a adoção de novas tecnologias, é o primeiro passo para diminuir o elevado nível de concentração do setor no Brasil – hoje os cinco maiores bancos detêm uma fatia superior a 80% do mercado. Além do PIX, que caiu nas graças do consumidor, novas ferramentas como a duplicata eletrônica, cadastro positivo e agora o Open Banking, previsto para o mês que vem, têm potencial de aumentar a concorrência e turbinar o volume de crédito no País.

Alguns cálculos do mercado apontam para um crescimento de 30% no volume de empréstimos e financiamentos concedidos. Mas, ao contrário do PIX, os avanços serão graduais, ao longo de dois, três anos. Para alguns especialistas, o setor está iniciando uma década de grandes transformações e uma revolução no crédito – uma das áreas mais carentes do sistema financeiro nacional. 

Enquanto no Brasil, o crédito representa 64% do Produto Interno Bruto (PIB), na China é de 165%; no Japão, 176%; e nos Estados Unidos, 191%. Ou seja, há um mercado extenso para ser explorado. 

Estão sendo criadas condições para promover uma verdadeira revolução no financiamento das empresas brasileiras. O mecanismo que deve provocar mudanças mais significativas no mercado é o Open Banking, já usado em outras partes do mundo. Basicamente trata-se do compartilhamento de informações entre as instituições financeiras. Com essa abertura, qualquer banco poderá ter o histórico do cliente, com a vida financeira e os hábitos diários de cada um, o que permitiria uma oferta maior de crédito para a população. 

A expectativa é que o Open Banking elimine intermediários e barreiras competitivas. Isso vai colocar todo mundo no mesmo ringue, em dois ou três anos, o país pode verificar uma mudança no market share do setor por causa dessa inovação.

Queda de receita

Isso implicaria redução de rentabilidade para os grandes bancos. O cálculo aponta para uma queda de até R$ 110 bilhões de receitas dos grandes bancos com a implementação do Open Banking e entrada de novas instituições no mercado, o acesso a mais informações permitirá que novos entrantes consigam refinar suas ofertas de portfólios e até os seus modelos de risco de crédito. 

No entanto os grandes bancos estão trabalhando na estruturação de novos produtos para apresentar ao mercado no dia seguinte ao lançamento do Open Banking, previsto para 10 de agosto. Alguns já têm produtos prontos para serem lançados.

O Open Banking vai chegar para o consumidor em forma de mais competição, novos produtos financeiros, mais crédito, taxas de juros menores e novas garantias. 

As PMEs (pequenas e médias empresas), por exemplo, envolvem um mercado que sempre foi negligenciado pelos grandes bancos. As fintechs podem ajudar a melhorar o ambiente de negócios. Hoje essas empresas são atendidas com produtos financeiros que não são adequadas ao perfil delas. Isso quando são atendidas.

O mercado de crédito no Brasil representa um terço de mercados desenvolvidos. Isso significa que pode crescer 3 vezes. O problema é que o país tem o maior custo de crédito do mundo. A disparidade com outros mercado é muito grande.

A penetração do crédito nas famílias brasileiras é baixa, em torno de 40% da renda, enquanto em outros países chega a 100%. No Brasil, as famílias usam pouco crédito.


Publicado em: 28/09/2021 08:00:00
Facebook Twitter Google Plus LinkedIn Whatsapp
Montreal Contabilidade

Abra sua empresa

Conte com a Montreal para agregar valor ao seu negócio. Converse com a gente!